Tag Archives: Gabriel García Márquez

O jornalista que inventava

Leia texto sobre a biografia do jornalista polonês Ryszard Kapuscinski

Check a piece about the biography of Polish journalist Ryszard Kapuscinski

 

kapuscinski1

 

kapuscinski2

 

kapuscinski3

Bolaño, a sensação literária de Nova York

Leia texto sobre o trabalho da tradutora Natasha Wimmer e Between Parentheses, livro de Roberto Bolaño

Publicado no Caderno Eu & Fim de Semana do jornal Valor Econômico (7 de outubro de 2011)

 

 

FIEL E CORAJOSA

Por Francisco Quinteiro Pires | Para o Valor, de Nova York

Roberto Bolaño é a maior sensação literária de Nova York. Nos últimos anos, ele se transformou no talismã de escritores, críticos e leitores. Seus livros aparecem em posição destacada nas livrarias e estão disponíveis nas bibliotecas públicas. O culto ao seu nome se tornou signo de inteligência.

A responsável principal pela consolidação dessa tendência é a tradutora Natasha Wimmer, de 38 anos. A moda se espalhou quando Natasha verteu para o inglês “Os Detetives Selvagens” (1998) e “2666” (2004), romances com os quais Bolaño ganhou fama internacional.

Em resenha sobre “Os Detetives Selvagens” para o “New York Times”, James Wood, badalado crítico inglês, confessou que sua “loucura” pelo escritor chileno foi desencadeada pela “talentosa tradução” feita por Natasha em 2006. “Repetidas vezes, ela encontra soluções na língua inglesa para um romance de informalidade linguística diabólica”, escreveu Wood. Embora goste de dividir os méritos com Chris Andrews, tradutor de romances mais curtos, como “Noturno do Chile” e “Estrela Distante”, ela fez o trabalho que despertou a atenção da imprensa.

“Como observo de dentro o fenômeno, tenho dificuldade de entender por que Bolaño se tornou canônico”, diz Natasha. “Quando se referem a ele como um marco cultural, ainda sinto calafrios.” O espanto da tradutora com a celebridade do ficcionista vem da recordação de um indivíduo pobre e doente que rejeitou com fúria o establishment literário.

Natasha traduziu a obra de outros escritores latino-americanos, como Mario Vargas Llosa (peruano), Laura Restrepo (colombiana) e Juan Pedro Gutiérrez (cubano). Mas sua carreira deu uma guinada com Bolaño. “Cheguei ao meu auge com seus romances”, diz. “Dificilmente vou encontrar nos próximos anos uma obra tão desafiadora.”

As traduções mais recentes de Natasha foram “O Terceiro Reich” (disponível em português pela Companhia das Letras) e “Between Parentheses” (sem tradução no Brasil). Organizado por Ignacio Echevarría, “Between Parentheses” foi publicado originalmente em 2004 pela Anagrama. “Entre Paréntesis”, título extraído da coluna assinada por Bolaño no jornal chileno “Las Últimas Noticias”, reúne ensaios, artigos e discursos do período 1998-2003.

 

A tradutora Natasha Wimmer fotografada por Miriam Berkley

 

Em 1998, Bolaño publicou “Os Detetives Selvagens”, pelo qual recebeu os prêmios Herralde de Novela e Rómulo Gallegos. Deixou de ser um escritor pouco conhecido que vivia isolado em Blanes, cidade litorânea da Espanha. O telefone passou a tocar.

“Between Parentheses” (New Directions, 390 págs., U$ 24,95) oferece em seu conteúdo autobiográfico uma cartografia emocional e intelectual de Bolaño, segundo Echevarría. Escritos sob o diagnóstico de uma doença hepática e em paralelo com o romance inacabado “2666”, os textos preservam o caráter urgente e visceral comum às ficções do romancista chileno. “Tudo que escrevi é uma carta de amor ou de despedida para minha geração.”

O livro se inicia com um autorretrato cheio de bom humor, um dos traços marcantes de seu estilo. “Nasci em 1953, ano em que Stálin e Dylan Thomas morreram. Embora tenha vivido na Europa por mais de 20 anos, minha única nacionalidade é chilena, o que não me impede de ser profundamente espanhol e latino-americano.”

Depois de contar que viveu no Chile, México e Espanha, ele confessa ter trabalhado “em todos os empregos do mundo, exceto três ou quatro que um pouco de dignidade proíbe aceitar”, e afirma ser mais feliz lendo do que escrevendo. Ele adora fazer listas dos escritores amados e odiados. Nicanor Parra e Jorge Luis Borges pertencem aos primeiros. Gabriel García Márquez, Isabel Allende e Paulo Coelho estão entre os desprezados.

“O que fascina em alguns textos é o afeto do escritor por Blanes, onde viveu os seus últimos 20 anos”, diz Natasha. “Blanes é uma cidade indefinida, modesta e desconhecida. Serve como lugar para o descanso dos viajantes, algo que Bolaño sempre foi em certa medida.” Conhecida como “selva marítima”, a 65 km de Barcelona, Blanes agora recebe visitas de seguidores do romancista chileno, que chegou por acaso à cidade catalã nos anos 1980.

O exílio é um tema constante em “Between Parentheses”. Embora vista pela crítica como o fardo trágico de Bolaño, a mudança de país é um estranhamento comparável à imersão no universo literário. Para ele, “toda literatura carrega o exílio dentro de si”. “As terras estrangeiras são uma realidade geográfica objetiva ou uma construção mental em fluxo permanente?”, pergunta. Bolaño diz em “Exiles” que o expatriado é alguém em perpétua jornada. “Ser exilado não é desaparecer, mas encolher, é aos poucos ficar cada vez menor até alcançar nosso peso real, o verdadeiro peso de nossa natureza.”

Em “The Corridor with no Apparent Way Out”, ele narra a experiência do retorno ao Chile no fim de 1998. A descrição de um jantar com a escritora Diamela Eltit e seu marido, o ministro Jorge Arrate, enerva a elite intelectual chilena. Na segunda volta, em 1999, ele sofre represália pelos comentários. Aquela noite de 1998 inspirou “Noturno do Chile”, o mais bem acabado de seus livros, segundo o próprio autor.

“Between Parentheses” termina com uma das últimas entrevistas de Bolaño. Concedida à jornalista Mónica Maristain, foi publicada pela edição mexicana da “Playboy” em 15 de julho de 2003, dia da sua morte. As respostas mostram como ele é “intensamente ambicioso e desbravadamente humano”, segundo a tradutora.

O próximo projeto de Natasha é traduzir “Los Sinsabores del Verdadero Policía” (Anagrama), livro póstumo de Bolaño publicado no início do ano. Ela se diz fascinada com o ritmo da prosa do escritor, difícil de transpor para o inglês. “Luto com a tentação de suavizar as frases que parecem sem harmonia”, diz. “Aprendi a aceitar que o estilo de Bolaño nunca é previsível e às vezes pode ser estranho de propósito.”

O uso livre da linguagem, que incorpora regionalismos, é a maior característica do autor chileno, afirma a tradutora. Esse era seu verdadeiro território. Inspirado por Fernando Pessoa, cujo nome lamenta ter esquecido em texto de “Between Parentheses”, Bolaño afirmou ser a língua espanhola a sua terra natal.

The Tiger’s Wife, de Téa Obreht

A mitologia fantástica de Téa Obreht

A mitologia e a superstição têm grande importância na vida de Téa Obreht. Em sua opinião, esses mitos representam um mecanismo maravilhoso para enfrentar a realidade. As pessoas, acredita, criam e embelezam histórias para lidar com momentos de grande desassossego. Cada trajetória individual é um mito, e Téa escreveu um livro para as pessoas refletirem sobre essa ideia.

The Tiger’s Wife foi incensado pela imprensa americana como a estreia literária mais promissora do ano. Téa, de 25 anos, ganhou elogios por ter criado com muita imaginação a história de Natalia. A personagem é uma médica que investiga segredos do passado durante uma missão no orfanato de um país dos Bálcãs acossado por anos de conflitos. A autora admite existirem vários elementos autobiográficos no primeiro romance.
Ela nasceu em Belgrado, na ex-Iugoslávia, e passou a infância em Chipre e no Egito.

Levada pelo avô, Téa conheceu as pirâmides e as múmias egípcias, experiências fundamentais para forjar a sua visão mágica de mundo. Cresceu a ouvir lendas sobre vampiros. Desde a mudança para os Estados Unidos em 1997, ela deleita-se com histórias de fantasmas. Quando visita uma cidade americana, a sua primeira atitude é se informar sobre as assombrações do lugar. The Tiger’s Wife lembra algo dos romances do colombiano Gabriel García Márquez. O seu realismo fantástico permite que um dos personagens seja imortal e uma mulher esteja casada com um tigre.

Téa teve três inspirações: a morte do seu avô em 2007, um documentário da National Geographic sobre tigres-siberianos e as viagens constantes para Belgrado. Em The Tiger’s Wife, Natalia relembra o contato com o avô que foi até uma aldeia sem avisar para ali morrer sozinho. Ninguém consegue explicar a decisão desse homem obcecado por The Jungle Book, de Rudyard Kipling.

O fato de Natalia e o seu avô serem médicos representa uma alegoria: a medicina como expressão da incapacidade de entender. Segundo Téa, com frequência os doutores se envolvem em situações nas quais a ciência apresenta soluções insuficientes. E a fé entra nesse vácuo. A presence da guerra no enredo não tem um propósito histórico.

É uma justificativa ideal para a escritora falar de outra coisa. “Durante um conflito, o nosso senso de humanidade é radicalmente abalado”, acredita. “A realidade começa a parecer fantástica, e aquilo que era mito se torna mais plausível.” É essa falta de respostas que tanto persegue os seres humanos o que fascina Téa Obreht. – Francisco Quinteiro Pires, de Nova York

Publicado na edição 654 da revista Carta Capital (13 de julho de 2011)